Para os fotógrafos de plantão

A prefeitura está fazendo um concurso de fotos das árvores.

Fica a dica para os fotógrafos enviarem seus trabalhos e principalmente para você que conhece as árvores da Rua Batuns, enviar seu material, concorrer e conscientizar a opinião pública.

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/meio_ambiente/concurso_de_fotografia/index.php?p=18442

Segue a foto que eu tirei hoje com uma família que a Tecnisa pretende desapropriar.

Família SEM TETO
A família que será desapropriada para a construção da TECNISA

Um abraço,

Fernando Salvio

Share

Anúncios

Três fatos curiosos e históricos a respeito da área

Neste fim de semana estive conversando com moradores e uma pessoa que trabalhou na Prefeitura há alguns anos.

A conversa inicialmente seria para revelar um fato bem interessante, mas que no final, se mostrou apenas uma parte de uma viagem fantástica no tempo e na história do Brasil e do mundo.

O fato que seria inicialmente revelado era que a área já havia sido tombada por volta de 1993 para a criação de um parque. Na época o processo caminhou pelo DEPAVE, que segundo essa fonte, era subordinado à secretaria de obras. Hoje o DEPAVE, Departamento de áreas verdes é subordinado à Secretaria do Verde.

Fiz algumas pesquisas no site da Imprensa Oficial, mas não consegui achar nada a respeito desse processo, já que o site não permite pesquisas por palavra-chave antes de 2003, mas de qualquer forma é interessante por ter todo o arquivo do Diário Oficial desde 1891 disponível para consulta de qualquer cidadão.

Em seguida, em uma conversa com outra pessoa, surgiu a informação de que neste terreno foram deixadas máquinas de terraplanagem supostamente usadas na construção de Brasília. Esses dados foram confirmados por mais de uma pessoa, inclusive mostrei uma imagem da época da construção encontrada na internet que mostrava uma máquina dessas e que segundo os entrevistados, era igual ou similar as que estavam estacionadas no terreno a mais de 30 anos e que possivelmente ainda existem vestígios dessas máquinas por ali. Inclusive no Google Earth é possível ver, nas imagens mais antigas, as possíveis máquinas.

O terceiro fato curioso é que a propriedade era de uma família alemã e que abrigou japoneses que moram até hoje na região e que foram obrigados a sair da costa do Brasil na época da segunda grande guerra.

Em breve publicarei essas imagens, por enquanto, fiquem com a foto que encontrei na internet e usei para confirmar a história das máquinas de terraplanagem, supostamente usadas na construção de Brasília.

O que estariam fazendo ali na Vila Prudente?
Trator usado na construção de Brasília. O que estariam fazendo ali na Vila Prudente?

Em breve irei publicar cada uma dessas histórias, com mais detalhes.

Um abraço,

Fernando Salvio

Share

O depoimento mais emocionado e inteligente sobre as árvores

Eu estava tirando cópias dos abaixo-assinados e esse singelo senhor se aproximou de mim para pedir ajuda e numa conversa de quase meia hora, aprendi muito mais do que poderia ter aprendido em anos na escola. No YouTube tem mais…

Um abraço,

Fernando Salvio

Share

Um dia extasiante

Hoje foi um dia incrível para todos que estão trabalhando para que o Parque se materizalize.

Em primeiro lugar, uma matéria da Kátia Leite estampada na Capa da Folha.

Jornal de importância vital para região e que se mostrou uma ferramenta honesta de divulgação e apoio à comunidade. Um retrato do trabalho do Senhor Newton Zadra, o diretor e presidente deste jornal,  que luta por boas causas a muitos anos na região.

Esta matéria me deixou feliz e confiante, já que estava desistindo de levar a público esta causa pelos meios tradicionais. A impressão que eu tive é que TODOS os meios de comunicação devem algo às construtoras.

Recebemos ligações de apoio e muitas novas assinaturas no abaixo-assinado.

Em segundo lugar, o post da Lectora en la Ciudad.

Um belo texto da Anahí Flores da Argentina, que conta uma histórinha que ilustra muito bem nossa causa.

Finalmente gostaria de publicar uma foto de um amigo (ainda não é você, seu Rolf) que parece feliz com tudo isso.

Um amigo que tem esperança no parque

Um abraço forte e feliz,

Fernando Salvio

Share

Muitos já estão apoiando o Parque da Vila Ema

Arrisco dizer que neste ponto da campanha parece estar fácil. Mesmo estando aqui, são quase 3 da manhã, com a garganta doendo, doando meu tempo para escrever esse post. E amanhã encontro o pessoal da Folha da Vila Prudente às 8.

Já são mais de 30 abaixo-assinados rodando o bairro e outros locais, muitos moradores, comerciantes da região (Gevasco, Banca de jornal, Seu Akira, farmácia Bom Jesus, cabelereiros, bombonieres, Petshop) e outras empresas (Tecnocast, Eletele), Associação de moradores da Santa Clara, TeleCentro da Santa Clara, centros culturais, religiosos, escolas, condomínios e outros.

Além de um grande apoio de pessoas do bairro, da cidade e até mesmo brasileiros que moram em outros países (Argentina, Portugal, Turquia).

O texto “Eu chorei após o jogo do Brasil” teve grande repercursão e continua a ser repassado por muitos que leram, assinaram o abaixo-assinado pela internet e publicaram em seus próprios sites como o Comendador DeRose, a Tatiana Ribeiro e outros.

A campanha também está sendo divulgada no Twitter, Facebook e outras redes sociais.

E o abaixo-assinado na internet se aproxima das duzentas assinaturas.

Pessoalmente, fico muito feliz em mobilizar todo esse esforço coletivo e ao mesmo tempo, estou voltando às minhas origens, estou de volta à minha casa. Pude rever velhos amigos e conhecidos, fiz novas amizades com pessoas especiais que tem o coração bom e estão de braços abertos para trabalhar em prol do bem estar de todos.

E o mais interessante é ver que as pessoas estão fazendo seus próprios VIVAOPARQUE. Fiquei feliz e ao mesmo tempo orgulhoso de ver cartazes da campanha colados por alguém até então desconhecido, mas que também abraçou a causa e fez mais, expressou seu desejo em forma de um cartaz colado em um poste (VER NOTA ABAIXO).

O próprio LOGOTIPO foi fruto de uma colaboração do Gustavo Lassala que eu não conheço pessoalmente, nem sei se mora por perto, mas que espero encontrar para um passeio a pé no futuro Parque.

Finalmente gostaria de mostrar fotos dos cartazes e uma outra foto que mostra o quanto as construtoras se importam com as pessoas que vivem em volta e a situação de uma parte do terreno, a mais escondida do stand de vendas.

[ATENÇÃO: A ASSOCIAÇÃO VIVAOVERDE, O AUTOR E TODOS OS ENVOLVIDOS NÃO APOIAM A COLAGEM DE CARTAZES, JÁ QUE ESTA FERE A LEI CIDADE LIMPA E POLUÍ O MEIO AMBIENTE. AGRADECEMOS O APOIO, MAS PEDIMOS ENCARECIDAMENTE QUE COMUNIQUEM QUALQUER AÇÃO ATRAVÉS DO EMAIL FERNANDO.SALVIO@GMAIL.COM PARA QUE POSSAMOS NOS PROGRAMAR E NÃO FERIR A LEI E O BEM ESTAR DOS MORADORES DE FORMA ALGUMA.]

Tratamento VIP ao meio ambiente dado pelas construtoras. Você compra delas, você financia isso.
Um abraço,
Fernando Salvio

Share

A luta dos moradores para salvar as escassas áreas verdes de São Paulo